Tecnologia

“usuário precisa cuidar dos seus dados, não pode deixá-los à disposição”, alerta especialista

Lançado no mês passado, a ferramenta de pagamentos do mensageiro Whatsapp ainda levanta desconfiança dos brasileiros. Segundo o relatório ‘A Experiência dos Correntistas dos Principais Bancos Brasileiros, realizado pela empresa Akamai, cerca de 60,36% dos brasileiros não pretendem utilizar o serviço de pagamentos por não o considerarem seguro.

Para Rafael Freire, especialista em Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), a ferramenta em si não é um problema. “Não vejo nada além dos perigos já existentes. Essa ferramenta é uma mensageira, utiliza administradoras de cartão de crédito para efetuar a transação”, explica.

“As camadas de segurança são as mesmas das compras com cartão de crédito. Quanto à possibilidade de golpes, segundo o Facebook, ao ser clonado o wathsapp, faz-se necessário recadastrar o pay, uma espécie de ‘reset’, completa Freire, que também é professor na Rede UniFTC.

Segundo o mensageiro, as transferências são seguras, feitas de um banco para outro, sem a interferência dele. O recurso de pagamentos é processado pelo Facebook Pay e pela Cielo no Brasil. Ainda, o Banco Central, declarou em nota, que o WhatsApp Pay poderá abrir novas perspectivas de redução de gastos para os usuários de serviços de pagamentos.

Rafael Freire é advogado especialista em LGPD e professor da UniFTC

Apesar das garantias dadas pelo aplicativo e pelo Banco Central, não quer dizer que não seja possível aplicar golpes com a ferramenta. A maior parte dos ataques que roubam informações pessoais depende diretamente da maneira como o usuário lida com o mensageiro.

“O usuário precisa cuidar dos seus dados, não pode deixá-los à disposição, nas mensagens, por exemplo. Você deixa a senha do seu cartão de crédito anotada por aí? Provável que não! Então tem que cuidar das senhas na internet com p mesmo zelo. Colocar segurança em duas etapas também é importante”, diz o especialista.

Para usar o WhatsApp Pay, é necessário cadastrar um cartão de débito ou cartão múltiplo com a função de débito emitido por um dos bancos ou instituições listados pela plataforma (confira lista abaixo).